RUGENDAS, Maurice. HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

 
 

 
   

Clique nas imagens para aumentar.



AZPILCUETA NAVARRO, Martinho. MANVALE CONFESSARIORVM, ET POENITENTIVM,

COMPLECTENS PENE RESOLUTIONES omnium dubiorum, quae communiter in sacris Confessionibus occurrere solent. […] VENETIIS, MDCVIII. [1608]. APVD IVNTAS.

In 8º gr. (de 21x16 cm) com [xliv], 776 pags.

Encadernação da época, cansada, em pergaminho flexível e título manuscrito na lombada.

Ilustrado com o retrato do autor a meio-corpo colocado na página [xvi].

Obra Manual de Confessores e Penitentes impressa com folha de rosto a duas cores e o texto a duas colunas.

Inocêncio VI, 152 e XVI, 372. “Azpilcueta V. a sua biographia e retrato na Collecção dos retratos e elogios de varões e donas, etc., por Pedro José de Figueiredo, e mais resumida nos Estudos biogr. de Barbosa Canaes a pag. 200. - Ha na Bibl. Nacional um seu retrato de meio corpo pintado a óleo.”

Palau 1990 I, 150. e 610 (nº 21398).

Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira III, 956: « Martinho de Azpilcueta. Celebre jurisconsulto espanhol nascido perto de Pamplona (Navarra) e chamado por isso Doutor Navarro, aparentado com famílias ilustres e antiquíssimas, às quais pertenceu também São Francisco Xavier. Foi convidado pelo governo francês a fazer parte do Parlamento de Paris. Recusando aquela honra. Regressou a Espanha, obtendo a cátedra de Prima Cânones na famosa Universidade Salamanca, lugar que desempenhou com um critério tão inovador, que produziu uma verdadeira revolução no que então significavam os estudos universitários. Seguindo o conselho de Carlos V, aceitou o convite de D. João III de Portugal, para reger uma cátedra em Coimbra. Adquiriu grande renome após dezasseis anos de ensino, findos os quais foi reformado com um soldo de 1000 ducados anuais. Em prémio dos seus serviços o rei ofereceu-lhe o bispado de Coimbra, mas ele não aceitou. Confessor de Dona Joana de Áustria, foi-lhe por esta oferecido o bispado de Santiago de Compostela que também recusou. Filipe II convidou-o para exercer um posto no Conselho do Rei e outro no Tribunal Supremo da Inquisição, mas também não aceitou nenhum deles, preferindo dedicar-se exclusivamente às suas actividades de homem de Direito. Tomou para si a defesa de Frei Bartolomeu de Carranza, processado pela Inquisição, e conseguiu salvá-lo à força de talento e de dialéctica jurídica. Em Roma na intimidade dos papas Pio V, Gregório XIII e Sisto V, que apreciaram muito os seus dotes de talento, viveu ainda 19 anos. Faleceu em Roma em 1586, sendo-lhe prestadas honras soleníssimas por ordem do Papa Sisto V. Recebeu sepultura no templo de Santo António dos Portugueses. A mais importante das suas obras, o Manual de Confesores y Penitentes, foi publicada em Portugal e Espanha simultaneamente, e mais tarde em várias edições em Antuérpia, Roma, Colónia, Paris, Veneza e Wizburgo ».

Referência: 1405JC032
Local: M-3-C-12


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
PayPal MasterCard Visa American Express
free counters