RUGENDAS, Maurice. HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

 
 

 
   

Clique nas imagens para aumentar.



MANUSCRITO ILUMINADO – SÉC. XVI - CARTA EXECUTÓRIA DE PREITO,

HOMENAGEM E TRIBUTO DOS ALCAIDES E APODERADOS DE CASTELLAR AO CONDE DE FERIA E SENHOR DE VILLALBA. 1501.

In fólio (de 23x17 cm) com 12 fólios em pergaminho.

Brochado da época dentro de fólio de pergaminho.

Documento magnificamente redigido pelo tabelião da corte de Espanha a uma só mão firme e legível.

Ilustrado com capitulares iluminadas as quais fornecem a seguinte estrutura ao texto:

Fólio: 2: En la villa

Fólio 2 verso: Conosada cosa sea a todos

Fólio 4: En la balconera

Fólio 5 verso: Alonso esteban de sepulveda

Fólio 6: En el castellar de muy magnifico señor mi señor el conde de feria

Fólio 6 verso: Conosada cosa sea a todos

Fólio 8 verso: Sepan quantos

Fólio 10: Ansi sacados

Relativamente ao conteúdo do texto o manuscrito apresenta-se desta forma:

Fólio 1: anverso em branco

Fólio 1 verso: com capitular E iluminada de página inteira e texto datado da vila de Zafra, de 1501.

Fólio 2: continuação do texto anterior.

Fólio 3: traslado de outro texto outorgado na Vila de Castellar em 1470

Fólio 4: traslado de outro texto datado do lugar de la Balconera de 1473.

Fólio 5 verso: traslado da carta dirigida ao alcaide da Fortaleza de Castellar, datada de 1484.

Fólio 6, 7 e 8 traslado da carta acusando a entrega e a recepção do castelo e da fortaleza de Castellar em 1480.

Folio 8 verso e seguintes; contém o assento público do preito, homenagem e tributo lavrado no lugar de la Balconera em 1487.

Folios 11 e 12 contêm o fecho, as assinaturas e os reconhecimentos dos traslados anteriores realizados em 1501.

Texto actualizado no fólio 1: « En la villa de Zafra [grafado: Cafra] del muy magnifico y muy virtuoso señor dõ Gomez Suarez de Figuerõ Conde de Feria [grafado: Heria] nuestro señor veynte dias del mes de Mayo año del nascimiento de nuestro señor JHS X de mill e quinientos e un años ante juã de villalobos e alonso barna alcaldes ordinarios. [...]»

Nomes citados Garcia de Leon e Juan Sanches Castellano - moços publicos [escrivães].

Alonso de Sepulveda e Antonio de Sepulveda - Hijos del comendador Rodrigo Alonso de Sepulveda cavallero de la Ordem de Santiago; e nietos del alcaide Alonso Estevan de Sepulveda.

Os anteriores pediram aos escrivães traslados «ponto a ponto e verbo a verbo».

No fólio 3 encontra-se o traslado do documento mais antigo (de 1470): «como yo alfonso estevan de sepulveda [...] fare, y guardare, y complire todas las cosas y cada una dellas que bueno y fiel y leal alcaide es tenudo y obligado de fazer por su señor [...] »

Segue-se o documento de preito e homenagem datado de La Balconera em 1474: «Estevan de Sepulveda alcayde de la fortaleza del castellar  del dicho señor conde [...] e luego los dichos alcaldes, mayordomo, paitador, y buenos omes todos en una concordia dicieron que por quanto ellos conoscia que la dicha vizindad del dicho alcayde le era puechosa y honrosa y sabiá bien que do viese su provecho lo allegaria [...]» 

Este anterior documento (datado de La Balconera em 1474) contém uma extensa enumeração das testemunhas e moradores: os alcaides Gonçales Lazaro e Diego Lopez; e os vizinhos Hernandez el Viejo e Hernadez su Hijo; Diego Alonso; Lope Vasques; Juan Bernardes de Montemolin; G. Hernandez Asensio; G. Monoz Bortifrancs; A. Monoz su hermano; Juan Bernardes del Campanario; Lazaro Martin el Mocoz; Lopez fijo de Ruy Lopez; Martin y Diego Sanchez el moço: Hernan Garcia Guerrero y Francisco Hernandez su yerno [...] »

Em colofon encontra-se o seguinte texto: « mandaron a nos dichos escrivanos signasemos y firmasemos de nuestros nombres este dicho traslado y lo diesemos a los sobredichos alonso de sepulveda para que les valiesen  y fizieren se como las dichas escripturas  originales que aqui van incorporadas y segud  que pedido lo avia testugos que fueron presentes y vieron leer y cotejar este dicho traslado con las dichas escripturas originales »

Enquadramento histórico deste documento:

O Condado de Feria é um dos mais importantes títulos nobiliárquicos de Espanha que remonta a origens medievais durante a reconquista da Peninsula. O Ducado de Feria foi posteriormente criado por Filipe II em 1567 a favor de Gómez Suárez de Figueroa, o 5º Conde de Feria. O primeiro conde de Feria tinha sido Lorenzo Suárez de Figueroa (1408-1461). O 2º Conde de Feria a quem pertence este documento é Gómez Suárez de Figueroa, (1461-1506). A Casa de Feria tem origem na família real da Coroa de Castela e a localização das suas terras concentrou-se na baixa Estremadura espanhola. A linhagem Figueroa vem da Galiza e em termos históricos e heráldicos está associada ao resgate das donzelas cristãs raptadas pelos mouros, e de cuja acção deriva a palavra preito (tributo, resgate) inumeras vezes utilizada neste documento como forma medieval de homenagem e tributo senhorial.

O Conde de Feria citado neste documento governou o seu estado senhorial durante um longo período de 45 anos, consolidando as suas possessões na Estremadura por troca das suas antigas possessões na Andaluzia. Um de seus primeiros trabalhos foi a finalização do castelo de Feria, perto de Badajoz, que tinha sido iniciado pai. Também terminou castelo Nogales, e remodelou o alcáçar de Zafra, construiu o convento franciscano de San Benito em Zafra e o seu hospital. Este segundo Conde participou activamente nas guerras de Castela com os mouros, e nas guerras da sucessão tomou o partido de Isabel a Católica. No final da sua vida retirou-se para o seu domínio para dedicar-se exclusivamente ao governo do seu estado. O conde, e as suas duas mulheres, estão enterrados no Mosteiro de Santa María del Valle, em Zafra.

Referência: 1604JC020
Local: M-11-B-27


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
PayPal MasterCard Visa American Express
free counters