RUGENDAS, Maurice. HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

 
 

 
   

Clique nas imagens para aumentar.



VIGIER, João. THESOURO APOLLINEO, GALENICO, CHIMICO, Chirurgico, Pharmaceutico,

OU COMPENDIO DE REMEDIOS para ricos, e pobres. COTE’M A INDIVIDUAÇAM DOS REMEDIOS símplices, compostos, e Chimicos com as suas proporcionadas doses, postos em particulares classes pela distinçaõ de capítulos dos achaques, que costumaõ infestar o corpo humano. ACRESCENTA-SE HUMA BREVE RACIOCINAC,AM da Escola Moderna sobre as cousas eficientes: como, e quando se devem applicar certos remedios. Ultimamente formalas [fórmulas] de receitas preciosas para os Magnates, e de menos preço para os Plebéos. DIVIDESE EM DUSAS [DUAS] PARTES; A primeira contèm remedios para os achaques internos; a segunda para os externos. OFFERECIDO AO EXCELLENTISSIMO SENHOR D. NUNO ALVAREZ PEREYRA DE MELLO, Duque do Cadaval, Marquez de Ferreyra, Conde de Tentugal. &c. POR JOAM VIGIER Nacional do Reyno de França, e morador nesta Corte de Lisboa. COIMBRA: Na Officina de LUIS SECO FERREYRA, ano do Senhor de 1745.

In 8º (20,5x15 cm) com [28], 518 págs.

Encadernação da época inteira de pele com rótulo vermelho, nervos e ferros a ouro por casas fechadas na lombada.

Exemplar com título de posse na folha de guarda: “Fr. Lourenço da Encarnação”. Com manchas de humidade nas orlas e dianteiras das folhas iniciais. Vestígios de trabalho de traça na lombada.

Obra dividida em duas partes, a primeira com os medicamentos utilizados para uso interno e a segunda com a descrição dos medicamentos para uso externo. Apresenta formulários de elementos simples e compostos para fabrico desses medicamentos.

Conforme o próprio autor declara no prólogo, uma das razões que o levou a escrever este livro foi o facto de, aparentemente, não haver disponível um compêndio médico escrito em português acessível a todas as classes.

João Vigier põe de lado, expressamente, a opinião atribuída a Hipócrates de que os purgativos actuam atraindo a si o humor que lhes é semelhante. Do seu receituário fazem parte a bebida febrífuga de Crollius, o antihectico de Poterius, a água antiepiléptica e o elixir vitae de Quercetano, a tintura cephalica de Senerti, a água melancólica de N. Lémery e outras variadas preparações de muitos outros filósofos químicos modernos.

João [Jean] Vigier (1662-1723), de origem francesa, mudou-se para Portugal no início do século XVIII e estabeleceu-se como médico (físico) e farmaceutico (droguista) em Lisboa.

Além deste 'Thesouro Apollineo, Galenico, Chimico, Chirurgico, Pharmaceutico', publicou também a Histoire des plantes de l"Europe (1718), uma obra que revela os conhecimentos deste autor sobre as plantas nativas do Brasil, e aponta para o grau de disseminação das plantas e saberes encontrados nas matas e florestas da América portuguesa, apesar de não existirem indícios sobre a sua passagem por terras brasileiras.

 

 In 8º (20.5x15 cm) with [28], 518 pp.

Binding: Contemporary full calf, red label, raised bands and guilt tools on frames on spine.

Ownership title on half title page: “Fr. Lourenço da Encarnação”.

Damp stains around the edges of the initial folios. Slight book worming on spine.

This work is divided in two parts, the first with all the medicines used externally and the second with those for internal use. It presents formulas of simple and composed elements to produce those medicines.

As the author himself declares in the Prologue, one of the reasons that lead him to write this books was the fact that, apparently, a medical compendium written in Portuguese wasn"t available for all social classes.

João [Jean] Vigier (1662-1723), was born in France and moved to Portugal in the beginning of the 18th century, establishing himself as a physician and pharmaceutical in Lisbon.

Besides this work, he also published the 'Histoire des plantes de l"Europe (1718)', a work that reveals the knowledge of this author on the native plants of Brazil and it refers the spread of the plants in the woods and forests of the Portuguese America, although there is no information on him ever going to Brazil.

 

Inocêncio IV, 52: “JOÃO VIGIER, de nação francês, e nessa qualidade excluído por Barbosa da Biblioteca Lusitana. Veio para Portugal nos princípios do século XVIII, e estabeleceu-se em Lisboa com casa de venda de drogas medicinais e preparações farmacêuticas. Naturalizando-se português, adquiriu suficiente conhecimento e prática da língua para nela compor as obras que publicou, com grande proveito da nação, segundo diz Mattos, na Bibl. Cirúrgica, discurso 2.º pag. 156.

Referência: 1604JC023
Local: M-7-C-12


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
PayPal MasterCard Visa American Express
free counters