RUGENDAS, Maurice. HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

 
 

 
   

Clique nas imagens para aumentar.



CAPELLO. (Hermenegildo C. de Brito), IVENS. (Roberto) DE ANGOLA Á CONTRA-COSTA

Descripção de uma viagem atravez do continente africano comprehendendo narrativas dispersas, aventuras e importantes descobertas entre as quaes figuram a das origens do Lualaba, caminho entre as duas costas, visita ás terras da Garanganja, Katanga e ao curso do Luapula, bem como a descida do Zambeze, do Choa ao oceano. Por… e… Officiaes da Armada Real Portugueza. Edição illustrada com mappas e gravuras. Lisboa. Imprensa Nacional. 1886.

Obra em 2 volumes. In 8.º de 24x17 cm. Com xxvii-448-xiii-490 pags.

Encadernações do editor decoradas com estampagens.

Obra ilustrada com desenhos no texto, 14 gravuras extratexto, uma das quais página dupla (4 no primeiro e 10 no segundo volume) 2 desdobráveis com diagramas de cuurvas meteorológicas e 6 mapas desdobráveis (4 no primeiro e 2 no segundo volume).

Exemplar em magnifico estado de conservação.

Relato da exploração levada a cabo entre 1884 e 1885 por Capelo e Ivens, primeiro entre a costa e o planalto de Huíla e depois através do interior até Quelimane, em Moçambique. Continuaram, então, os seus estudos hidrográficos, efectuando registos geográfico-naturais mas, também, de carácter etnográfico e linguístico. Estabelecem assim a tão desejada ligação por terra entre as costas de Angola e de Moçambique, explorando as vastas regiões do interior situadas entre estes dois territórios que descrevem nesta obra. Tendo partido para essa missão a 6 de Janeiro de 1884 haveriam de regressar a 20 de Setembro de 1885 sendo recebidos triunfalmente pelo rei D. Luís.

Em 19 de Abril de 1883 Manuel Pinheiro Chagas, Ministro da Marinha e do Ultramar cria por decreto uma Comissão de cartografia com o fito de criar um atlas geral das colónias portuguesas. Por outro lado pretendia-se também a criação de um caminho comercial que ligasse Angola a Moçambique por terra. Devido ao facto de se tratar de atravessar territórios desconhecidos e com necessidade de serem cartografados, recorreu-se a oficiais da marinha, já com experiência anterior neste tipo de explorações os quais podiam avançar mais rapidamente recorrendo aos princípios da navegação marítima. Com a criação desta ligação criava-se também algum tipo de pretensão à soberania das terras entre as nossas duas colónias que são os territórios hoje ocupados por Zâmbia, Zimbabué e Malawi, num episódio conhecido por mapa cor de rosa, cuja ideia é atribuída ao então Ministro dos Negócios Estrangeiros Henrique de Barros Gomes que no entanto nunca admitiu ter sido sua a ideia. Esta ideia estava em clara colisão com o objectivo britânico de ligar o Cairo à Cidade do Cabo e desencadeou uma disputa entre o estado português e a Grã-Bretanha que culminou no ultimato britânico de 1890 a que Portugal cedeu, causando sérios danos à imagem do governo monárquico português.

Inocêncio XI, 261. “Hermenegildo Carlos de Brito Capello, nasceu em 1839. Aspirante a Guarda Marinha em 1853, guarda marinha em 1861, Segundo Tenente em 1863, Primeiro Tenente em 1874, Capitão Tenente supranumerario em 1877, e Capitão de Fragata em 1884. Ajudante de Campo Honorario de Sua Magestade ElRei, commendador da ordem de S. Thiago e condecorado com a medalha da Expedição a Angola em 1860. Em resultado de uma exploração scientifica em Africa, conjunctamente com outro distincto official da marinha de guerra, o Sr. Roberto Ivens, de quem se tratará em logar proprio, escreveu e publicou a seguinte obra: de Benguella ás Terras de Iácca. Lisboa, na Imp. Nacional, 1881.”

Referência: 1104CS001
Local: M-13-B-16


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
PayPal MasterCard Visa American Express
free counters