RUGENDAS. (Maurice) HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

 
 

 
   

Clique nas imagens para aumentar.



VERNEY, Luís António. VERDADEIRO METODO DE ESTUDAR,

VERDADEIRO / METODO / DE ESTUDAR, / PARA / Ser util á Republica, e á Igreja: / PROPORCIONADO / Ao estilo, e necesidade de Portugal / EXPOSTO / Em varias Cartas, escritas pelo R. P. * * * Bar- / badinho da Congregasam de Italia, ao R./ P. * * * Doutor na Universidade / de Coimbra. / TOMO [PRIMEIRO; SEGUNDO] / [Ornamento tipográfico em fundo-de-lâmpada.] / VALENSA / NA OFICINA DE ANTONIO BALLE. /ANO MDCCXLVII. / COM TODAS AS LICENSAS NECESARIAS, & c. [xii], 264 pg; [ii], 244

[Junto com] REFLEXOENS / APOLOGETICAS /A’ OBRA INTITULADA / VERDADEIRO / METODO DE ESTUDAR/DIRIGIDA A PERSUADIR HUM NOVO / metodo para em Portugal se ensinarem, e aprenderem as sciencias, / e refutar o que neste Reino se pratica; / EXPENDIDAS PARA DESAGGRAVO / dos Portuguezes em huma carta, que em resposta de / outra escreveo da Cidade de Lisboa para a de / Coimbra / O P. FREY ARSENIO DA PIEDADE; / Religioso da Provincia dos Capuchos; / E oferecidas / AO ILLUSTRISSIMO, E EXCELLENTISSIMO SENHOR / D. JOAÕ JOSEPH / ANSBERTO DE NORONHA / Conde de S. Lourenço, do Conselho de S. Ma- / gestade, &c. / Por NICULAO FRANCEZ SIOM. / [ornamento tipográfico em forma de cruz de malta] / VALENSA / NA OFFICINA DE ANTONIO BALLE. / ANO MDCCXLVIII. [1748]. / COM TODAS AS LICENSAS NECESARIAS, & c. 54 pg.

[Junto com] RESPOSTA / AS REFLEXOENS, / Que o R. P. M. Fr. Arsenio da Piedade Capu- / cho fez ao Livro intitulado: / Verdadeiro metodo de estudar. / Escrita por outro Religioso da dita Provincia para de- / sagravo da mesma Religiam, e da Nasam. / [Ornamento tipográfico em fundo-de-lâmpada.] / VALENSA / NA OFICINA DE ANTONIO BALLE. / ANO MDCCLVIII [1748]. / COM TODAS AS LICENSAS NECESARIAS, & c. 86 pg.

In 4º (de 21,5x16 cm).

3 obras encadernadas em 1 volume.

O Verdadeiro Método de Estudar é composto por 16 cartas (8 em cada Tomo): I - Língua Portuguesa; II - Gramática Latina; III – Latinidade; IV - Grego e Hebraico; V e VI – Retórica e Filosofia; VII – Poesia; VIII – Lógica; IX – Metafísica; X – Física; XI - Ética; XII – Medicina; XIII - Direito Civil; XIV – Teologia; XV - Direito Canónico; XVI - Regulamentação geral dos estudos.

Encadernação da época, inteira, de pele com rótulo vermelho, nervos e ferros ricamente lavrados a ouro na lombada e no titulo do rótulo. Exemplar com título de posse da época manuscrito na folha de rosto: “Bento Machado”. Leves vestígios de humidade nos primeiros e nos últimos fólios; leves picos de traça marginais.

 

De acordo com Maria Teresa Payan Martins (1) esta é a 3ª edição que terá sido publicada em 1751 pelo padre loio Doutor Manuel de Santa Marta Teixeira numa oficina particular instalada no Convento de Santo Elói, sob as falsas indicações tipográficas de “Valensa, na oficina de António Balle, 1747”. De acordo com as informações dadas ao Tribunal da Inquisição pelo próprio [in A.N.T.T., Inquisição de Lisboa, processo 2638], foram impressos cerca de 800 exemplares.

Luís António Verney (1713-1792), que residia em Roma desde 1736, "com receio dos jesuítas romanos, dirigiu-se a Nápoles, em cujo Reino os inacianos sofriam perseguição da autoridade régia e eclesiástica" (2), para providenciar a publicação do Verdadeiro Método de Estudar, atribuindo a sua autoria a um “Padre Barbadinho da Congregação de Itália”. Cumpridas as formalidades legais e obtidas as licenças necessárias (régia e eclesiástica), a obra foi impressa em dois volumes por Gennaro e Vincenzo Muzio [1ª ed.].

Quando a obra chegou a Portugal, em finais de 1746, foi apreendida pela Inquisição “[...] sendo público e notório nesta Corte que o Santo Ofício mandara recolher a primeira impressão que veio de fora do Reino e denegado a licença para eles correrem, pelos justos motivos que ponderam os Qualificadores nas suas censuras.” [in A.N.T.T., Inquisição de Lisboa, processo nº 523I].

Escrita sob os princípios do Iluminismo, o Verdadeiro Método de Estudar demonstra um progressismo notável que provocou fortes reações e acesa polémica [vide Inocêncio volume V, 222 e seguintes] devido às orientações pedagógicas defendidas. Em linhas gerais Verney advogava que o ensino devia basear-se nas realidades concretas e na experiência, que a instrução elementar devia ser ministrada a ambos os sexos e a todas as classes e que o Estado devia fomentar e custear as despesas da educação.

A abordagem a cada uma das áreas constantes das Cartas engloba uma primeira parte de crítica ao estado das coisas na altura, desmontando, de forma racional, todos os aspectos que deviam ser mudados e alterados e uma segunda parte em que apresenta soluções e propostas concretas de alternativa.

Filho de pai francês e de mãe portuguesa, Verney estudou no Colégio de Santo Antão e na reformadora Congregação do Oratório até se formar em Teologia em Évora, de onde parte para Roma, alcançando o doutoramento em Teologia e Jurisprudência. O nosso mais conhecido e activo estrangeirado colheu fora de Portugal os pensamentos de renovação que iluminavam a Europa enquanto Portugal vivia as trevas obscurantistas da intolerância da Inquisição.

A pedido do rei D. João V, Verney inicia a sua colaboração com o processo de reforma pedagógica de Portugal, contributo inestimável para uma aproximação profícua ao progresso cultural que animava os espíritos dos europeus mais progressistas. Entre os escolásticos portugueses do século XVIII, Verney destaca-se pelas consequências da sua acção. Após a divulgação do seu programa de renovação, O Verdadeiro Método de Estudar, assiste-se em Portugal ao fim do “reinado” da escolástica dos jesuítas medievalizantes, expulsos por Pombal, e à sua substituição no ensino pela empreendedora Congregação do Oratório, edificadora da modernidade científica no ensino superior.

Ref.: (1) PAYAN MARTINS, Maria Teresa. Livros clandestinos e contrafacções em Portugal no século XVIII. Edições Colibri, 2012. Págs. 354 a 373.

(2) ANDRADE, António Alberto de. Vernei e a Cultura do seu tempo. Coimbra, Acta Vniversitatis Conimbrigensis, 1965.

Inocêncio IV, 249; V. 222 e seguintes.

Referência: 1510JC011
Local: M-9-F-4


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
PayPal MasterCard Visa American Express
free counters