RUGENDAS. (Maurice) HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

 
 

 
   

Clique nas imagens para aumentar.



MANUEL DE MELO. (D. Francisco) CARTAS FAMILIARES

DE..., ESCRITAS A VARIAS PESSOAS sobre assumptos diversos; Recolhidas, e publicadas em cinco Centurias Por ANTONIO LUIZ DE AZEVEDO Professor de Humanidades; OFFERECIDAS AO ILLUST. E VER. SENHOR JOAÕ DE MELLO PEREIRA DE SAMPAYO, Do Conselho de sua Magestade, Fidalgo de sua casa, Beneficiado da Igreja de Santiago de Torres-Novas, e Prelado da Santa Igreja Patriarcal de Lisboa, &c. POR LUIZ DE MORAES E CASTRO; e á sua custa impressas: mais correctas; e de novo illustradas com seu Index proporcionado. LISBOA: Na Offic. dos Herd. de ANTONIO PEDROZO GALRAM: Anno M. DCC. LII. (1752).

In 4º De 20,4x15,3 cm. Com [xxiv], 559 págs.

Encadernação da época, inteira de pele, lombada com nervos, ferros a ouro e título em rótulo vermelho.

Texto ornamentado com cabeções, florões de remate e iniciais decoradas. Exemplar com oxidação devido à qualidade do papel.

As folhas preliminares contêm: Anterosto, rosto, dedicatória impressa em itálico, Aos discretos, Licenças, Catálogo dos livros em papel que se vendem em casa de Luiz de Moraes mercador de livros, morador à Praça da palha e Carta do author aos leitores.   

D. Francisco Manuel de Melo é um dos maiores escritores portugueses, autor de uma vasta obra em Português e Castelhano. As cartas familiares reúnem quase toda a sua correspondência assim como peças de crítica literária, cartas dedicatórias, assuntos relativos à diplomacia, à política, ao estudo da história, sendo muito numerosas as cartas de cortesia e as de pesâmes.  

Segunda edição rara, com variantes e acrescentos em relação à primeira edição, publicada em 1664.  

Importante obra clássica da literatura portuguesa, fundamental também como fonte para conhecer a sociedade e a visão do mundo dos portugueses do Século XVII. 

Barbosa Machado II, 182-188.

Inocêncio II, 437 e 442: 'D. Francisco Manuel de Mello nasceu em 1611, de família mui nobre. Fez os seus estudos no colégio de Santo Antão com os jesuítas, e aí concluiu com grande distinção o curso de humanidades, tornando-se igualmente perito na filosofia e teologia. Aos 17 anos, por morte de seu pai, determinou seguir a vida militar, e passando a Castela fez varias campanhas navais e terrestres, chegando ao posto de Mestre de Campo, e servindo como tal nas guerras de Flandres e Catalunha. Culpado na morte de um indivíduo que apareceu assassinado, teve de jazer nove anos sucessivos nas prisões da torre de Belém, e da torre Velha. Não foram bastantes as diligências, que durante este tempo empregou para justificar-se do crime que lhe assacavam, chegando até a interessar em seu favor el-rei Luís XIII de França, que escreveu ao de Portugal uma carta, datada de 6 de Novembro de 1648, em termos assaz significativos, empenhando se pela liberdade do preso. A final depois de tão longos e penosos sofrimentos, foi-lhe ainda imposta a pena e degredo temporário para o Brasil, a qual cumpriu com paciente resignação. Voltando para a Europa, fez uma digressão á Itália, e assistiu em Roma durante alguns anos, começando aí em 1664 uma edição completa de suas obras, que por motivos ignorados não prosseguiu. Recolheu-se por último a Lisboa, onde faleceu em 1666. Há segunda edição das Cartas, feita em Lisboa 1752, 4.º Nela se fez substituir a carta última por outra mui curta, e destituída de todo interesse, com a qual se completou a centúria 5ª. Esta edição é feita em mau papel, e inferior em tudo à de Roma. Todavia, no mercado corre quase pelos mesmos preços, e eu paguei há anos por um exemplar 1:200 réis'.

Referência: 1605PG020
Local: SDC V2


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
PayPal MasterCard Visa American Express
free counters