RUGENDAS. (Maurice) HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

 
 

 
   

Clique nas imagens para aumentar.



EURIPIDES. HIPOLLYTO

VERTIDO EM PORTVGVEZ PELO DIRECTOR DE HVMA DAS CLASSES DA ACADEMIA REAL DAS SCIENCIAS, E POR ELLA OFFERECIDO A SVA ALTEZA REAL O PRINCIPE REGENTE NOSSO SENHOR. LISBOA NA TYPOGRAPHIA DA MESMA ACADEMIA. MDCCCIII. [1803]. Com licença de Sua Alteza Real.

In 4º de 21,4x15,8 cm. com [iv], 161, [iii] págs. Brochado, com capas de brochura em papel decorativo da época.

Impressão muito nítida sobre papel de linho avergoado e muito encorpado, caracteres do alfabeto grego muito legíveis e com o texto em português todo em caracteres redondos, apresentando ambos os versos numerados de cinco em cinco linhas. Livro com o texto em grego clássico nas páginas da esquerda e a tradução em português nas páginas do lado direito.

As folhas preliminares contêm o artigo das Actas das sessões da Academia Real das Ciências (sessão de 20 de Outubro de 1802) assinado por António Caetano do Amaral, que determina a impressão desta obra à custa da Academia. As páginas finais incluem uma página em branco e duas com o catálogo das obras publicadas pela Academia.

Exemplar com dois carimbos oleográficos na folha de rosto, um deles de Ureña Prieto, e o nome do tradutor escrito a tinta azul recente, também na folha de rosto.  

Edição bilingue em que os 1477 versos do original grego são traduzidos em 1775 decassílabos brancos (sem rima) em português. Primeira tradução em português desta tragédia de Eurípides, (Salamina, ca. 480 a.C. — Pela, Macedônia, 406 a.C.), obra prima da literatura dramática da Grécia Clássica, escrita em 420 AC, que exerceu um profunda e continuada influência na cultura ocidental. O seu tema foi tratado por muitos escritores, sendo os casos mais notáveis, Séneca e Jean Racine, que, com a tragédia Fedra, criou a obra prima cimeira do teatro clássico francês.

Tradução atribuída por Inocêncio ao Padre Joaquim de Fóios (Peniche ca.1733 - Lisboa 1811) da Congregação do Oratório de Lisboa, onde entrou a 10 de Abril de 1752 e onde foi Professor de Retórica e Latinidade. Desempenhou cargos públicos como Censor Régio do Desembargo do Paço e Cronista da Casa de Bragança. Foi sócio da Arcadia Ulyssiponense e da Academia Real das Ciências de Lisboa, onde dirigiu a Classe de Letras e Literatura. Poeta, investigador da literatura portuguesa e editor de obras dos seus escritores clássicos.

Inocêncio VII, 379 e IV, 80

Referência: 1901PG041
Local: M-3-B-38


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
PayPal MasterCard Visa American Express
free counters