RUGENDAS. (Johann Moritz) HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

     
 
   

Clique nas imagens para aumentar.



FONTENELLE. (Bernard le Bovier de) ENTRETIENS SUR LA PLURALITÉ DES MONDES,

AUGMENTÉS DES DIALOGUES DES MORTS. Par M. de Fontenelle, de l" Académie Françoise. NOUVELLE ÉDITION. A MARSEILLE, Chez Jean Mossy, Imprimeur du Roi, de la Marine, & Libraire, au Parc. M. DCC. LXXX. [1780]. Avec Permission.

In 8º de 16,8x10,5 cm. Com x, [ii], 434 págs. Encadernação de inícios do século XIX, com ferros a ouro e rótulo na lombada. Cortes das folhas carminados. 

Ilustrado, em extratexto, com uma gravura desdobrável que representa o sistema solar, com o Sol, Mercúrio, Vénus, A Terra, Marte, Jupiter e Saturno.   

A obra diálogo dos mortos começa na página 165 e tem folha de rosto própria com pé de imprensa igual ao da obra principal e com os seguinte título: Dialogues des morts anciens. Par M. de Fontenelle, des Académies, Françoise, des Sciences, des Belles-Lettres, de Londres, de Nancy, de Berlin & de Rome. Nouvelle édition.    

A 1ª edição dos Entretiens foi publicada em 1686 e conheceu nova edição em 1724. 

Obra sobre astronomia dividida em seis lições, que expõem de forma clara e simples as descobertas de Copérnico e de Descartes. Nos diálogos dos mortos o autor apresenta diálogos entre personagens da história, da literatura e da filosofia antigos e modernos, como, por exemplo Sócrates e Montaigne. 

Bernard Le Bouyer de Fontenelle (Rouen 1657 - Paris 1757) cientista, filósofo, escritor e dramaturgo francês, integrado no pensamento do iluminismo, que se distinguiu como divulgador das ideias de outros cientistas e filósofos. 

Sobrinho dos acadêmicos e dramaturgos franceses Pierre e Thomas Corneille, frequentou o Colégio dos Jesuítas, onde estudou Direito. Aos vinte anos foi contratado por seu tio Thomas como colaborador de sua revista Le Mercure Galant e escreveu libretos de ópera, tragédias e poemas, mas como em 1680 a sua tragédia Aspar, foi um fracasso. voltou a Rouen, onde publicou, entre 1682 e 1687, textos que o tornaram mais conhecido como filósofo e cientista. do que como poeta. Entre suas numerosas obras, as mais conhecidas são: La République des philosophes (A República dos Filósofos), romance utópico que exalta uma democracia radical, materialista e ateia; Les Dialogues des Morts (Diálogos dos Mortos), nos quais reproduz diálogos fictícios entre Sêneca e Scarron, Sócrates e Montaigne; um artigo irônico sobre a rivalidade entre as religiões judaica, católica e calvinista; De l'origine des fables (Da origem das fábulas), escreveu também sobre a história do teatro e reflexões sobre poesia. Em 1687 publicou uma de suas grandes obras, Histoire des Oracles, um ensaio no qual denuncia a crença em superstições, semeia dúvidas sobre aspectos sobrenaturais,  examina alguns comportamentos irracionais, baseados em crenças, e suscita, reflexões pungentes a respeito do assunto, promovendo um ataque directo ao cristianismo.

Referência: 1911PG019
Local: I-7-H-10


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
PayPal MasterCard Visa American Express

SERVIÇOS

Avaliações e Compra


Organização de Arquivos


Pesquisa Bibliográfica


A SUA ENCOMENDA

Ver

Encomendar


Valor: €0

Temáticas


Índice Geral / All Categories

Livros Raros / Rare Books

free counters