RUGENDAS. (Maurice) HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

 
 

 
   

Clique nas imagens para aumentar.



ANDRADE. (Eugénio de) CORRESPONDÊNCIA DE... COM JOSÉ DA SILVA NEVES.

1942-1946. De 31x23 cm. Com 47 documentos. Pasta com atilhos.  

Arquivo constituído por dois conjuntos: o primeiro com 32 documentos e o segundo com 15 documentos. Contém 2 desenhos, um deles inédito, da autoria de Eugénio de Andrade; manuscritos de 12 poemas originais e de traduções, com correcções e acrescentos; correspondência de Eugénio de Andrade com José da Silva Neves, composta por 26 cartas, assim como cartas remetidas a Silva Neves por Joel Serrão e Miguel Torga. Inclui também recortes de jornais com notícias sobre Eugénio de Andrade e poemas seus.   

Todos os poemas e traduções de Walt Withmann, Frederico Garcia Lorca, Gustavo Adolfo Becquer são inéditos e não constam da obra do poeta. Os sete poemas também são inéditos, incluindo um dedicado a Afonso Duarte, e alguns foram escritos para integrar o livro As mãos e os Frutos, onde não chegaram, a ser publicados.     

Documentação inédita com grande riqueza de dados biográficos e de grande importância para o aprofundamento do conhecimento da vida de Eugénio de Andrade e para o estudo do período inicial de formação e desenvolvimento do poeta durante a escrita e publicação dos livro Pureza, 1944-1945 (que posteriormente excluiu da sua obra), a preparação do livro As Mãos e os Frutos, quase pronto em 1946 e publicado em 1948, e da suas primeiras traduções, como a Antologia Poética de Garcia Lorca publicada em 1946. 

As Mãos e os Frutos foi o primeiro livro de poemas que o autor manteve na íntegra nas sucessivas publicações da sua obra poética completa. Para trás ficou o primeiro livro Narciso, publicado em 1940 com o seu nome José Fontinhas, e renegado por inteiro pelo autor, assim como os dois livros seguintes Adolescente, 1942 e Pureza, 1945, dos quais só manteve 10 poemas que passaram a ser apresentados com o título Primeiros Poemas.  

CATÁLOGO POR ORDEM CRONOLÓGICA:

Artigo sobre Walt Withmann, e traduções em português de dois poemas, em 6 páginas impressas extraídas da revista Selecções do Reader Digest. 1943. (II.14)     

Desenho da autoria de Eugénio de Andrade, datado de Coimbra, Agosto de 1944. Inédito e não referido em bibliografias. Importante pois revela uma faceta artística desconhecida deste poeta e escritor. (I.01) 

Poesia. Canção Infantil. Coimbra. Janeiro de 1944. (II.7). Manuscrito de uma das poesias provenientes dos seus segundo e terceiro livros de poesia, com variante na pontuação, e que foi conservada no conjunto, que intitulou Primeiros Poemas.  

Carta de Miguel Torga para José da Silva Neves, 9-02-1944. 1 folha manuscrita pela frente e com envelope. 9-02-1944. (II.11) Miguel Torga agradece a carta que recebeu, dá conselhos sobre um diário que Silva Neves, queria publicar e informa-o onde pode obter as suas obras, com exclusão do terceiro volume da Criação do Mundo e da Montanha que foram apreendidos.    

Livro: O menino da mata e o seu cão piloto. Com dedicatória a José da Silva Neves. Tavira. Março de 1944. (I. 5) 

Tradução. Córdoba para a memória de Garcia Lorca. Lisboa. 1942. Manuscrito no verso do impresso modelo 14 em que se concede dispensa da formatura ao soldado, José da Silva Neves, da 2ª Companhia do Centro de Instrução de Infantaria de Tavira, em 29 de Março de 1944. (II.8)

Manuscrito, 4 folhas com lista de livros de poesia e ensaio. R. Montalvão, Nº 5, Tavira. S. d. [1944]. (II.9)

Poesia. Breve a Vida passa. Coimbra. 27.06.1944. Folha de papel azul pautado. (II.13)

Poesia. Elegia a um poeta morto III. Noite Aberta. do livro Pureza. S. d. [1944?]. (II.2)

Carta de Eugénio de Andrade. Coimbra. 05-09-1944. (I.4)

Poesia. O amor é um cravo. Quadras de um soldado da 2ª Companhia de Saúde. Dezembro de 1944. (II.4) 

2 Poesias. Tenho sido tão infeliz/longe do teu coração. Manuscrito com três versos rasurados. S. d. [1944] e Não crio palavras o que tenho para dar é coração. Manuscrito com muitas emendas e rasuras S. d. [1944]. As duas poesias manuscritas na frente das folhas de um bifólio de papel azul pautado. (II.12)

Carta de Eugénio de Andrade. Coimbra. 07-01-1945. (I.2)

Carta de Joel Serrão para [José da Silva Neves?]... Lisboa. 19-01-1945. (II.1) fala sobre a obtenção de um exemplar da revista Fontaine, que publicou traduções de poemas de Eugénio de Andrade, [não são referidas nas bibliografias existentes] descreve os seus planos para editar livros infantis e obras de ficção, que no caso de autores russos têm que ser submetidos à censura, lamenta que o seu correspondente não possa contribuir com uma obra original, discute as qualidades de Miguel de Unamuno como ficcionista e desculpa-se por não ter escrito a Ricardo Serra.  

Recorte de jornal, com o poema inédito, O Canto que o Vento Traz, a publicar no livro Pureza, ilustrado com retrato do poeta, por Luís Dourdil,  inclui nota biográfica e apreciações críticas. 14-03-1945. (II.15) 

Bilhete Postal de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves?] Castelo Viegas, 15-03-1945. (I.10) Promete enviar exemplar do livro Pureza. 

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves?] Castelo Viegas, 16-03-1945. 2 fl. (I.7). Informa que o livro Pureza já saiu, envia recorte do [jornal Primeiro de] Janeiro, elenca livros que está a ler e diz que a edição das traduções de Lorca, com prefácio de [Joaquim] Namorado está para ser publicada. 

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves?] Castelo Viegas. 23-03-1945. 1 fl. (I.8) Fala sobre o lançamento do livro Pureza, refere que já enviou exemplares a alguns amigos e diz que se sente deprimido pela doença da mãe. 

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves?] 30-03-1945. (I.14) Explica porque ficou em Coimbra e deseja feliz Páscoa. 

Poesia. Um dos Poemas do Ceira, Debruço-me no Ceira, A Afonso Duarte. 03-04-1945. (I.22)

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves?] [Castelo] Viegas. 04-04-1945. (I.15)

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves?] Urgeiriça. 13-04-1945. (I.17) Sobre a recepção do seu livro Pureza refere apreciações de Paulo Quintela e de Ribeiro Couto.  

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves?] Castelo Viegas. 20-04-1945. (I.21)

Tradução. 2 Poemas de Gustavo Adolfo Becquer. Junho de 1945. (II.5)

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves?] 20-04-1945. (I.28)

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves?] [Café] Montanha. 24-04-1945. (I.18). Refere a circulação comercial em Lisboa e as relações com a censura. 

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves?] Café Montanha. 31-04-1945. (I.19)

Carta, com um poema, de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves]. Castelo Viegas. 20-06-1945. (I.30) anuncia, Fala dos exames que está a preparar, anuncia que vai publicar traduções de Lorca num número da Vértice comemorativo dos sete anos da morte do poeta espanhol, por iniciativa de Joaquim Namorado, esteve com Vilaret e Maria Lalande e envia um trecho de um poema mais longo no fim da carta: Morena a terra acenava. 

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves]Castelo Viegas. 20-07-1945. (I.29) Entre outras coisas refere as notas dos exames e diz que continua a traduzir Lorca. 

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves], Barca do Lago. Setembro de [1945]. (I.11) Fala longamente dos grandes autores clássicos e promete que irá a Lisboa, em Outubro.  

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves?] Castelo Viegas. 01-10-1945. (I.26)

Postal para o [José da Silva] Neves. Natal de 1945. Com assinatura de EA e mais três pessoas. (I.16)

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves?] Urgeiriça. 04-01-1946. (I.20) 

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves?] 07-02-1946. (I.24)

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves?] 31-03-1946. (I.23)

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves], Castelo Viegas. -04-1946. (I.32) Remete uma soma de dinheiro que Silva Neves tinha pedido a R. S. (Ricardo Silva?), entre outros assuntos.  

Carta de Eugénio de Andrade para [José da Silva Neves], Barca do Lago. 18-09-1946. (I.31) depois de dizer que já não recebia carta desde há dois meses, em reposta a um pedido de poesias que o amigo lhe faz informa que irá publicar um livro, que será o maior que já editou. Diz que irá passar a viver em Lisboa e pergunta se Silva Neves sabe de alguma casa.  

Carta de Eugénio de Andrade para José da Silva Neves. Lisboa. 10-12-1946. Tem junto o envelope. (I.12) Marca encontro numa pastelaria da Av. Almirante Reis. 

Poesia. Nem amantes nem dinheiro, 4 versos, S. d. [1946]. Manuscrito sobre pedaço de papel branco pautado. (II.10)

Recorte de jornal em que se publica um poema inédito: Ó Noite porque hás-de vir. Do Livro As Mãos e os Frutos a sair brevemente, ilustrado com a reprodução de um retrato do poeta, desenho de Carlos Carneiro, com apreciação crítica, referências aos livros anteriores, Adolescente e Pureza e a traduções dos seus poemas. S. d. [1947]. O poema não foi publicado na 1ª edição do livro e continua inédito. 

DOCUMENTOS SEM DATA. 

Desenho com o título The Humann Comedy, assinado com as iniciais D. F., S. d.  

Poema de Walt Whitmann: Neste momento em que estou só, cheio de pensamentos e de desejos, Dactilografado. S. d

Espanha de Frederico Garcia Lorca. S. d. 

Carta de Eugénio de Andrade. Coimbra. 14 de Agosto [?].   

Carta de Eugénio de Andrade para Neves. S. d

Carta de Eugénio de Andrade. S. d

Eugénio de Andrade (Póvoa da Atalaia 1923 - Porto 2005): Escola primária em Castelo Branco, de 1923 a 1930, em Lisboa a partir de 1931 até 1950 estudos liceais no Liceu Passos Manuel  e na Escola Machado de Castro. Estadia em Coimbra de 1943 a 1946, passou a viver no Porto desde 1950. 

Em 1938 conhece António Boto, que o incentiva e em 1939 conhece Joel Serrão, que publica versos de Eugénio de Andrade no jornal Horizonte, que dirige. Em 1943 passa a residir nos arredores de Coimbra, na Quinta da Urgeiriça, e conhece Miguel Torga, Afonso Duarte, Eduardo Lourenço e Carlos de Oliveira. Em 1944 cumpre o serviço militar, em Tavira, Lisboa e Coimbra. Em 1946 publica traduções de Garcia Lorca e em 1948 publica As Mãos e os Frutos. Em 1947 começa a escrever um livro de poemas que será publicado em 1950, com o título Os Amantes sem Dinheiro. Neste período ingressa nos quadros do funcionalismo corporativo, com as funções de inspector administrativo, realiza as primeiras viagens ao estrangeiro e conhece Sofia de Melo Breyner.

Até ao fim da sua vida publicou muitos títulos de poesia, traduções e textos em prosa, foi alvo de muitas homenagens e as suas poesias foram traduzidas para grande número de línguas. 

Em 1993 por iniciativa de amigos foi constituída a Fundação Eugénio de Andrade, com o apoio da Câmara Municipal do Porto, que cedeu uma casa para a instalação da sede, na esquina da Rua do Passeio Alegre com a Calçada de Serrúbia. Inaugurada em Janeiro de 1995 a Fundação Eugénio de Andrade foi extinta na sequência da publicação em Diário da República no dia 23 de setembro de 2011, do Despacho do Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros de 12 de setembro, ficando a Câmara do Porto como entidade responsável para decidir o que fazer ao imóvel de Eugénio de Andrade e ao espólio do poeta. Em 21 de Maio, de 2019, Rui Moreira assumiu, em reunião do executivo, que estavam criadas as condições para avançar com um polo cultural na casa de Eugénio de Andrade, depois de o município ter chegado a acordo com os herdeiros do poeta. 

SANTOS, José da Cruz. Eugénio de Andrade o mais íntimo amigo do sol. Fotobiografia. Coord. de ... Apresentação de Luís Miguel Nava e Ángel Crespo. Fundação Eugénio de Andrade. Campo das Letras. Porto. 1998.     

ANDRADE, Eugénio de. Poesia. Prefácio de Óscar Lopes. Modo de Ler. Porto. 2011

ANDRADE, Eugénio de. Traduções. Prefácio de Vasco Graça Moura. Modo de ler. Porto. 2012.

 Correspondence of Eugénio de Andrade with José da Silva Neves.

1942-1946. 31x23 cm. With 47 documents. Folder with ties.  

Archive composed of two sets, one with 32 documents and the second with 15 documents. It includes 2 drawings, one of them by Eugénio de Andrade, unpublished; manuscripts of 12 original poems, and of translations with corrections and add-ons; correspondence between Eugénio de Andrade and José da Silva Neves, composed of 26 letters; as well as letters sent to Silva Neves by Joel Serrão and Miguel Torga. It also includes clippings with articles about Eugénio de Andrade and his poems.   

All the poems, as well as translations of Walt Withmann, Frederico Garcia Lorca, and Gustavo Adolfo Becquer, are unpublished and not part of the poets work.  The seven poems arealsounpublished, including one dedicated to Afonso Duarte, and  some were written to be included in the book “As mãos e os Frutos”,but never hit the print.     

Unpublished documents with biographic data important for a better knowledge of Eugénio de Andrade’s life and for the study of the development of the poet at the time he wrote and published “Pureza” (1944-1945), which later was excluded from his work; the preparation of the book As Mãos e os Frutos, almost ready in 1946 and later published in 1948; and of his first translations, like “Antologia Poética” by Garcia Lorca published in 1946. 

“As Mãos e os Frutos” was the first book of poems that the author kept the full text on all editions of his poetry complete works. Left behind was his first book published in 1940 under his real name José Fontinhas and totally rejected by the author, together with his two next books “Adolescente” (1942), and “Pureza” (1945), of which he only kept ten poems under the title “Primeiros Poemas” [First Poems].  

Until his death he published many books of poetry, translations, and prose. He received a lot of tributes, and his poetries were translated into many languages.  

In 1993, some friends decided to create the Eugénio de Andrade Foundation with the sponsorship of the Municipality of Oporto that provided a building for the headquarters of the Foundation. The opening was in January of 1995, but the Foundation was closed by Decree on September 2011 and Oporto’s City Hall appointed to decide what to do with the building of Eugénio de Andrade and his assets. On the 21st of May 2019, Rui Moreira [Oporto’s Mayor] assumed in a council meeting that all the conditions were met to create a cultural centre at Eugénio de Andrade’s house, after City Hall came to an agreement with the poet’s heirs. 

Referência: 1912PG009
Local: SACO COV1


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
PayPal MasterCard Visa American Express
free counters