RUGENDAS. (Johann Moritz) HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

     
 
   

Clique nas imagens para aumentar.



RIBEIRO COLAÇO. (Thomaz) D. QUICHOTE - REI DE PORTUGAL.

Obra com quatro prefácios, três capítulos, numerosas notas e muitas virtudes. Edições SIT. Lisboa. S/d. [1950]. 

De 19x12,5 cm. Com 367 págs. Brochado.

Exemplar por abrir.

Tomás Ribeiro Colaço, (Lisboa, 1899 - Rio de Janeiro, 1965) Descendente de uma família de artistas (neto de Tomás Ribeiro e filho de Jorge Colaço e Branca de Gonta Colaço), foi advogado, poeta e dramaturgo. Distinguiu-se particularmente como crítico humorista, tendo o seu estilo sido comparado ao de Eça de Queirós. Aliás, intitulou-se Fradique o semanário literário que fundou e dirigiu em 1934, o primeiro do género, entre nós, e em que fervilhava a polémica, talvez única maneira de atrair o público. Estilista de raro talento imitativo, ou pastichador (como o vimaranense João de Meira), Tomás Ribeiro Colaço preencheu o 1º. número do seu jornal com textos apócrifos, em prosa e verso, dos mais dotados autores da época (Aquilino, Fidelino, Correia de Oliveira, etc.) – proeza que não tardou a esclarecer, pasmando os leitores.

As suas palestras humorísticas de grande audiência na Emissora Nacional, foram reunidas nos volumes "Ao Microfone Tal Qual Se Fala" e "Às Duas em Ponto".

Monárquico convicto, foi secretário das Juventudes Monárquicas e escreveu em defesa dos direitos e da personalidade de D. Duarte Nuno. Exerceu intensa actividade jornalística em Portugal (onde foi presidente do Sindicato da Imprensa Portuguesa) e no Brasil, onde fixou residência em 1940. Como poeta, foi premiado em Espanha. Como dramaturgo, ganhou o 1º. prémio de peças para o Trindade, em 1936, com Uma Mulher... e o Mesmo Homem, ao gosto social romântico, representada dois anos depois no Nacional. Com Virgínia Vitorino, escreveu A Estrangeirinha, peça em 3 actos, que, representada no Teatro do Ginásio (1932), ficaria inédita. Mas a sua obra para o teatro de maior qualidade foi o «poema dramático» D. Sebastião, também levado à cena no Nacional em 1933.

Escreveu vários romances, entre eles O Trevo de Quatro Folhas, para o cinema. Publicou diversas traduções.

Referência: 2003AF133
Local: SACOAF004 |I-97-B-3


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
PayPal MasterCard Visa American Express

SERVIÇOS

Avaliações e Compra


Organização de Arquivos


Pesquisa Bibliográfica


A SUA ENCOMENDA

Ver

Encomendar


Valor: €0

Temáticas


Índice Geral / All Categories

Livros Raros / Rare Books

free counters