RUGENDAS, Maurice. HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

 
 

 
   

Clique nas imagens para aumentar.



BOWDICH. (T.) Edward. EXCURSIONS IN MADEIRA AND PORTO SANTO

DURING THE AUTOMN OF 1823,WHILE ON HIS THIRD VOYAGE TO AFRICA; By the late T. EDWARD BOWDICH, Esq. CONDUTOR OF THE MISSION TO ASHANTEE, HONORARY MEMBER OF THE CAMBRIDGE PHILOSOPHICAL SOCIETY, AND MEMBER OF VARIOUS OTHER LEARNED SOCIETIES BOTH FOREIGN AND DOMESTIC. TO WHICH IS ADDED By Mrs. BOWDICH, I. A NARRATIVE OF THE CONTINUANCE OF THE VOYAGE TO ITS COMPLETION, TOGETHER WITH THE SUBSEQUENT OCCURRENCES FROM MR BOWDICH’S ARRIVAL IN AFRICA TO THE PERIOD OF HIS DEATH. II. A DESCRIPTION OF THE ENGLISH SETTLEMENTS ON THE RIVER GAMBIA. III. APENDIX: CONTAINING ZOOLOGICAL AND BOTANICAL DESCRIPTIONS, AND TRANSLATIONS FROM THE ARABIC. ILLUSTRATED BY SECTIONS, VIEWS, COSTUMES, AND ZOOLOGICAL FIGURES. LONDON: GEORGE B. WHITTAKER, AVE-MARIA LANE. LONDON. MDCCCXXV [1825].

In 4º (de 28,5x22,5 cm) com xii, 278, [1] págs.

Encadernação tardia, de meados do século XX, com lombada e cantos em pele; e  lombada com nervos e ferros a ouro.

Exemplar com as margens por aparar; apresentando acidulação generalizada e manuseamento. A folha de rosto possui um pequeno título de posse no canto superior direito (Welwitch); e um restauro antigo de um rasgo no canto superior esquerdo.

Ilustrado com 22 gravuras, entre as quais 4 gravuras coloridas: Nº 1 no anterrosto com os costumes da ilha da Madeira; Nº 3 com os cortes geológicos da ilha da Madeira; Nº 6 com a ponta ou cabo do Garajau e os seus cortes geológicos; e a Nº 9 com os costumes dos homens e mulheres da Gâmbia.

1ª edição desta obra que contém as viagens de explorações científicas levadas a cabo pelo senhor e pela senhora Bowdich.

O senhor Bowdich (1791-1824) participou em várias missões em África e faleceu prematuramente com 33 anos de idade quando efectuava um trabalho de levantamento cartográfico na região da Serra Leoa. O seu trabalho foi continuado e completado por sua mulher, apresentando belas gravuras e desenhos com valor científico que incluem etnografia, flora e fauna (peixes, insectos, répteis, etc) das regiões visitadas.

O texto é um relato bem informado, que estuda a geologia dos locais visitados pelo casal Bowdich e descreve com pormenor científico os aspectos geológicos, botânicos e faunísticos da Ilha da Madeira. Comparam as observações com outros locais também visitados (como por exemplo a região de Lisboa e Cabo Verde) e citam autores que na sua época eram a referência dos estudos mais recentes, como é o caso de Vandelli.

Esta obra analisa muito particularmente os aspectos geológicos, tanto no seu texto como nas suas ilustrações gráficas, coloridas e não coloridas. A imagem do Aqueduto das Águas Livres pretende mostrar o aspecto geológico dos basaltos da zona de Lisboa. Os autores comparam-nos posteriormente com os basaltos encontrados na ilha da Madeira (ver págs. 34-35). Os autores procuraram registar e baptizar novas espécies da fauna e da flora, isto é atribuíram novos nomes científicos a plantas e a animais.

As pranchas gravadas e desenhadas pela senhora Bowdich são uma recolha de todos os peixes encontrados na Madeira pelos autores, junto com uma miscelânea de fósseis e plantas recolhidos nas suas viagens e ainda outras curiosidades tais como o insecto que ataca as laranjeiras da Madeira, visto ao microscópio (ver figuras 35 a, b, c e d).

Nesta data (1823/1825), esta obra é percursora do futuro pensamento evolucionista – a evolução das espécies proposta por Darwin depois da viagem do HMS Beagle em 1826 - e difusionista (difusão das espécies). Ambas as teorias são um produto do pensamento e do conhecimento do século XIX. Por exemplo, equaciona-se nesta obra se o rato da ilha da Madeira é o mesmo que se encontra na Suécia, sendo o primeiro anterior e tendo-se difundido posteriormente no continente através do comércio marítimo.

Outro exemplo é a identificação de certa espécie de morcegos da Madeira, na qual se refere a sua completa originalidade neste arquipélago. No entanto, a grande questão apresentada é a comparação das camadas e dos tempos geológicos em vários locais, magnificamente ilustrados por Sara Bowdich nas gravuras e com explicações no texto. Relembramos que Darwin visitou a Madeira, no ano seguinte ao da publicação desta obra, e aí registou no seu livro as primeiras observações geológicas e biológicas sobre a evolução das espécies.

Sobre o título de posse Welwitsch (Friedrich Martin Josef, 1806 -1872) foi um botânico austríaco, conhecido pelo seu trabalho de recolha da flora de Angola no século XIX. Graduou-se em Medicina em 1834, e doutorou-se em 1836, na Universidade de Viena, Áustria. Em 1839 viajou para Portugal, subsidiado pela Württembergischer botanische Reiseverein, ou Unio Itineraria, uma sociedade que patrocinava viagens de colheita de espécimes botânicos que eram posteriormente distribuídos pelos seus membros. Viveu em Portugal entre 1839 e 1853, ocupando várias posições como botânico. Entre 1853 e 1860 realizouexplorações botânicas em Angola nos distritos de Luanda, Cuanza Norte, Malanje, Benguela, Namibe (Moçâmedes), e Huíla. Recolheu um total de 8.000 amostras botânicas (5.000 espécies diferentes, e mais de 1.000 eram espécies novas). Quando regressou de Angola, Welwitsch decidiu fixar residência em Londres para ficar próximo ao Museu de História Natural e dos Royal Botanical Gardens. Trabalhou em Londres até a sua morte em 1872.

 In 4º (28,5x22.5 cm) with xii, 278, [1] pp.

Late 20th century binding: half calf, raised bands, and gilt tools on spine.

Copy with uncut margins, thumbed, and with some foxing. Title page with ownership title (Welwitch) at top right corner; and slight repair at top left corner.

Illustrated with 22 engravings, among which 4 coloured: Nº 1 on half-title page depicting costumes of Madeira Island; Nº 3 showing the geological cuts of Madeira; Nº 6 showing the Garajau Cape and its geological cuts; and Nº 9 with the costumes of men and women from Gambia.

First edition of this work, containing the travel logs of scientific explorations carried out by Mr. and Mrs. Bowdich.

Mr. Bowdich (1791-1824) took part in several missions in Africa and died prematurely at age 33 when was doing a mapping survey in Sierra Leone. His wife carried on and completed his work, presenting beautiful engravings and drawings with scientific value, and that include ethnography, botanic, and zoology (fishes, insects, reptiles, etc.) of the regions they visited.

The text is a well-informed account, studying the geology of the places visited by the Bowdich couple and describes with scientific detail the geology, botany and zoology of Madeira Island. They compare their observations with other places they also visited (like Lisbon and Cape Verde) and quote authors who were at the time a reference, like Vandelli.

This work analyses specially the geology, both in the text and in the coloured and non-coloured graphic illustrations. The image of the Áquas Livres aqueduct is intended to show the geological look of the basalt in the Lisbon area. They then compare it to the one existing in Madeira (see pages 34-35). The authors try to register and name new species of fauna and flora, giving new scientific names to plants and animals.

The boards, drawn and engraved by Mrs. Bowdich, are a collection of all the fishes found in Madeira by the authors, together with a mix of fossils and plants collected during their journeys, together with other curiosities like the insect that attacks the orange trees in Madeira, seen through the microscope (see pictures nº 35 a, b, c and d).

In this date (1823/1825) this work is the blazes a trail for the future evolutionist thought – the evolution of species proposed by Darwin after in trip aboard the HMS Beagle in 1826 – and also of the dissemination of species. Both theories are a result of the evolution of thought and knowledge in the 19th century. For instance it is questioned in this book if the rat of Madeira is of the same species of the one found in Sweden, having been carried to the continent aboard commercial ships. Another example is the identification of a bat species native to Madeira.

However, the big issue is the comparison of geological layers and times in several places, beautifully depicted by Sara Bowdich in her engravings and explained in the text. We bring to your attention that Darwin visited Madeira in the year following this publication and there he registered in his book the first geological and biological observations on the evolution of species.

 

Duarte de Sousa 2, 97. Abbey Travel 190; Gay 2983; Colas 418.

 

Referência: 1711JC031
Local: M-6-C-9


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
PayPal MasterCard Visa American Express
free counters